Você está aqui

Justiça condena Igreja da Graça a se retratar de ofensa a ateus

Abas primárias

Enviado por PerfeitoLouvor em sex, 23/11/2018 - 10:23

Pastores não podem mais dizer o que quiserem na televisão alegando liberdade de expressão. Em março de 2011, o pastor João Batista, da Igreja Internacional da Graça de Deus, declarou no programa “O Profeta da Nação”, exibido pela RedeTV! que ateus eram perigosos.

O Ministério Público Federal entrou na Justiça contra a emissora, a União e a igreja, alegando que a Constituição garante que o direito de crença é “inviolável”. No caso, o de não crença também.
Esta semana a Rede TV e a Igreja da Graça foram condenadas pela 4ª turma do TRF da 4ª região a exibirem, por duas vezes, um quadro televisivo com duração de 2 minutos e 30 segundos cada.

O conteúdo deve retratar as declarações ofensivas aos ateus e prestar esclarecimentos sobre a diversidade religiosa, e o que diz a lei dobre liberdade de consciência e de crença no Brasil.

Na decisão, a desembargadora Federal Mônica Nobre, destacou que “o direito à liberdade de expressão não é absoluto, devendo respeitar valores éticos, sociais e da família”. Caso descumpra, a multa diária será de R$ 1 mil.

A fala do pastor João Batista na ocasião foi: “Só quem acredita em Deus pode chegar para frente. Quem não acredita em Deus pode ir para bem longe de mim, porque a pessoa chega pra esse lado, a pessoa que não acredita em Deus, ela é perigosa. Ela mata, rouba e destrói. O ser humano que não acredita em Deus atrapalha qualquer um. Mas quem acredita em Deus está perto da felicidade.”

Assista!

Fonte: Gospel Prime